Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/09/19 às 16h50 - Atualizado em 18/09/19 às 17h10

Lançado o Programa de Integridade da PGDF

COMPARTILHAR

 

Foi lançado nesta terça-feira (17) o Programa de Integridade da Procuradoria-Geral do Distrito Federal (PGDF). O documento foi lançado em evento organizado pela PGDF em parceria com a Fundação de Apoio à Pesquisa do DF (FAP-DF) que tratou de “Integridade e Inovação: O movimento da eticidade e eficiência no serviço público”.

 

A Procuradora-Geral do Distrito Federal, Ludmila Lavocat Galvão Vieira de Carvalho, discursou na abertura e destacou a importância da integridade para a instituição: “A cartilha ora apresentada à comunidade administrativa tem por escopo precípuo, embora singelo, ilustrar de maneira didática o Sistema de Governança da Procuradoria-Geral do Distrito Federal, a deflagrar processo de aculturamento, colaboração e integração na edificação de uma nova forma de pensar e executar boas práticas governamentais”, disse a Procuradora-Geral.

 

Ludmila Galvão destacou, ainda, as ações empreendidas pelo Grupo de Trabalho Integridade criado pela Portaria nº 151/2019-PGDF, que resultaram no documento apresentado, declarando, assim, oficialmente lançado o Programa de Integridade da Procuradoria-Geral do Distrito Federal.

 

Em seguida, a Presidente do Grupo de Trabalho, Procuradora do DF Izabela Frota, apresentou o escopo da criação do Programa de Integridade da PGDF. Na palestra proferida, Izabela Frota detalhou os passos para a elaboração do programa e elogiou o trabalho realizado em conjunto pelos Procuradores e Servidores do GT-Integridade. Izabela falou, ainda, que o setor público tem se mobilizado para implantar novas ações de integridade e que, a Integridade Pública não é uma medida de controle, mas sim uma mudança de cultura e paradigmas.

 

Um dos destaques do evento foi a palestra de Antônio Carlos Hencsey, que falou sobre “ética sob outro prisma”. Diretor de Cultura, Ética, e Inovação na ICTS Protiviti, Hencsey falou aos presentes sobre o tema a partir da reflexão acerca da dificuldade em saber, nos casos concretos, o que é realmente a coisa certa a fazer. A partir de exemplos trazidos em imagens e vídeos, ele interagiu com os participantes questionando o que fariam em determinado contexto. Hencsey abordou ainda os aspectos psicológicos e que também orientam o processo de tomada de decisão no ambiente corporativo. Daí a relevância de um Programa de Integridade, afirmou Hencsey, para direcionar a conduta profissional de cada um, a partir do modelo de retidão intrínseco ao conceito de integridade.

 

Na segunda parte do evento foi realizado um painel sobre inovação. O Procurador Federal e Assessor no Ministério da Economia, Bruno Portela, falou sobre os instrumentos legais de fomento à inovação. De acordo com Portela, apesar dos inúmeros avanços já alcançados, a legislação brasileira ainda precisa se adaptar para que haja inovações no setor público. Bruno Portela falou, ainda, que a inovação é sistêmica e que o Brasil precisa avançar em várias frentes simultaneamente, como produtos de conhecimento e tecnologia, infraestrutura, capital humano e pesquisa, entre outros.

 

Em seguida, foi a vez do Coordenador-geral de Projetos Especiais da Secretaria de Políticas Públicas para o emprego do Ministério da Economia, Manoel Fonseca, que falou sobre as novas tecnologias aplicadas ao setor público. Manoel destacou que “a melhoria da produtividade e efetividade na prestação dos serviços da Administração Pública está associada à Transformação Digital não só das fronteiras do serviço público para fora mas também nos processos internos das atividades meio como integração de plataformas digitais de comunicação e adoção de tecnologias de ponta”.

 

O Procurador-Geral Adjunto da Fazenda Distrital, Flávio Jardim, também tratou de inovação no serviço público e sua relação com o risco tecnológico. Ele defendeu a evolução da legislação brasileira quanto ao uso de verbas públicas ou privadas na busca de soluções inovadoras, que podem ou não vir a dar certo. É preciso considerar que, no controle dos gastos públicos, a possibilidade de o dinheiro investido não resultar na solução buscada devido à capacidade tecnológica do momento da tomada da decisão. Sem isso, o gestor público não terá segurança para buscar soluções inovadoras, devido ao fato de a legislação não incentivar essa prática, declarou Jardim.

 

Ao fim do evento, foram anunciados os vencedores do concurso: “O que é Integridade pra você?”, que premiou dois vídeos e um slogan que traduzem o sentido de integridade no ambiente de trabalho. Conheça os vencedores:

 

 

1º lugar (vídeo): Augusto César Câmara

 

 

 

 

2º lugar (vídeo): Regina Silva de Andrade Bueno

 

 

 

3º lugar (slogan): Vitor Teixeira Pessoa

 

“Honestidade, honra e respeito. Seja exemplo!”

 

 

Confira algumas fotos do evento: